homem de terno e gravata
Agência Brasil
Ministro da Educação, Abraham Weintraub

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou as redes sociais na manhã desta terça-feira (2) para falar sobre roubo de dados e ameaças sofridas por ele e pela família ao longo dos últimos meses.

Segundo Weintraub, que afirmou ter tomado um tempo de reflexão antes de se posicionar, a situação de ameaças é comum em “muitas famílias patriotas”. “Nossos lares não estão mais seguros. Querem nos calar. Não me lamento, escolhi essa trilha”, afirmou.

Leia também: Weintraub é intimado e deverá explicar fala sobre STF

Ele lembrou, ainda, de quando foi cercado por “ongueiros profissionais”  em uma ida ao Pará com a família e de uma ameaça mais recente, na qual teriam jogado objetos na sala dele e da família. “Ontem, eu, minha esposa e crianças tivemos celulares e dados pessoais violados. Recebemos ameaças de morte e ofensas. Na madrugada anterior, objetos foram atirados em nossa sala e mais ameaças (filmado e B.O.). Vejam o grupo que nos ataca”, disse. Veja publicação completa:


O ministro foi um dos que teve dados pessoais divulgados pelo grupo Anonymous Brasil na noite desta segunda-feira (1). Número de CPF e e-mails foram algumas das informações divulgadas sobre o ministro. Além dele, a ministra Damares Alves, o presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro e o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro tiveram dados divulgados pelo grupo.

    Veja Também

      Mostrar mais