homem de terno e gravata falando em microfone
Isac Nóbrega/PR
Ministro Braga Netto, chefe da Casa Civil

Em audiência virtual com deputados e senadores, o ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, negou a possibilidade de o governo dar um golpe militar. Disse que o governo de Jair Bolsonaro é de "centro-direita" e tem posições democráticas.

"O governo é democrático, é um governo de centro-direita. Isso é teoria conspiratória que não existe", afirmou, em resposta à senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA). "Não tem nada de golpe de Estado".

Leia também: Deputado do Novo diz que sofreu golpe na Câmara após rejeição de destaque

Braga Netto também foi cobrado por parlamentares na liberação de verbas no combate ao coronavírus. Apesar de já ter destinado um orçamento de R$ 40 bilhões no combate ao coronavírus no país, o governo federal liberou apenas R$ 9,24 bilhões até o momento.

Nesta quinta-feira, em uma "live", o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, negou também a possibilidade de um golpe. Disse que "isso não passa na cabeça dessa nossa geração, que foi formada por aquela geração que viveu todos aqueles fatos, como estar contra o governo, fazer uma contrarrevolução em 1964".

Leia também: Toffoli libera publicação do Ministério da Defesa em homenagem ao golpe de 1964

O deputado Francisco Jr. (PSD-GO) questionou ainda o ministro a respeito do prazo das medidas financeiras de combate ao coronavírus. Disse que, segundo o ministro da Economia Paulo Guedes, há um plano para verbas extras por três meses. Caso nós a extrapolemos, (....) nós estamos preparados para isso?", questionou o deputado.

Perguntado sobre a defesa de Jair Bolsonaro do uso indiscriminado da cloroquina no tratamento do novo coronavírus, Braga Netto defendeu a medicação. Disse que tomou a droga por um ano quando participou de ação da Organização das Nações Unidas (ONU), para o tratamento de malária — no qual o medicamento é eficiente.

Leia também: Heleno diz que não terá golpe militar: "Ficam provocando para ver se reagimos"

Quem não quiser usar a droga, pode assinar um termo dizendo isso, defendeu o ministro da Casa Civil, citando uma fala semelhante de Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos. A eficácia da cloroquina para o tratamento do Covid-19 não é comprovada, e há estudos relatando piora de pacientes após o uso.

    Veja Também

      Mostrar mais