Jair Bolsonaro
José Dias/PR
Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (14), durante reunião com empresários da indústria, que por ele o Brasil adotaria o isolamento vertical. Ele citou a Suécia como exemplo, mas não mencionou que o país escandinavo tem mais mortes por Covid-19 que os vizinhos, que adotaram o isolamento mais rígido. Em proporção, Suécia também tem mais casos e óbitos que o Brasil.

"O governo federal, se depender de nós, está tudo aberto com isolamento vertical e ponto final. Os governadores assumiram cada um a sua responsabilidade, houve uma concorrência entre muitos para ver o que fechava mais", disse Bolsonaro.

Bolsonaro pede dados à PF e delegados acreditam que intenção é atacar Moro

"Quem defendia mais a vida do teu eleitor, do cidadão do teu estado em relação aos outros. O governo federal nunca foi óbice. Se depender de mim, quase nada teria sido fechado, a exemplo da Suécia", acrescentou.

A Suécia, com 10 milhões de habitantes, passou a casa dos 3 mil mortos há uma semana, em 7 de maio. O Brasil, com população 21 vezes maior, registrava naquele momento o triplo de óbitos na mesma data.

Bolsonaro se irrita com menção a Mandetta e diz: "Ele é carta fora do baralho"

Em termos matemáticos, o índice de mortos pelo total de habitantes na Suécia é cerca de sete vezes maior que o do Brasil. A comparação não leva em conta a subnotificação nos países.

Até esta quinta, a Suécia já registrava 28.582 casos confirmados e 3.529 mortes. Para cada milhão de habitantes, o país nórdico tem 2.830 casos e 349 óbitos. No Brasil, os números são bem menores: 923 casos e 64 mortes para cada milhão de habitantes.

No fim de abril, a rede britânica BBC noticiou que, mesmo sem uma quarentena imposta pelo governo muitos cidadãos suecos vinham optando pelo distanciamento social voluntário. "O uso do transporte público caiu significativamente. Um grande número de pessoas está trabalhando de casa. E a maioria da população se absteve de viajar no fim de semana da Páscoa. O governo também proibiu reuniões de mais de 50 pessoas e visitas a casas de repouso para idosos", afirma a reportagem.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários