Gabriell Neves foi demitido em abril.
Diuvlgação/Governo do Rio de Janeiro
Gabriell Neves foi afastado em abril.


O ex-subsecretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro , Gabriell Neves , e outras três pessoas foram presas, nesta quinta-feira, durante uma operação do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC) do Ministério Público do Rio . Uma quinta pessoa é procurada. Todos tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça.

O grupo é suspeito de integrar uma organização criminosa visava a obter vantagens em contratos emergenciais - quando há dispensa de licitação -, para a aquisição de respiradores pulmonares utilizados no tratamento de pacientes graves com Covid-19 . Além dos mandados de prisão, estão sendo cumpridos também outros 13 de busca e apreensão em endereços na capital.

Entre os presos, há empresários que vendem respiradores . Todos eles estão sendo encaminhados para a Delegacia Fazendária (Delfaz), da Polícia Civil - que também participa da operação -, onde prestarão depoimento. Em seguida, eles serão encaminhados para o sistema penitenciário.

Leia também: Com novo chefe, PF do Rio tem cinco casos que podem interessar a Bolsonaro

Investigação

Gabriell Neves foi afastado do cargo no dia 20 de abril, por suspeita de irregularidades. A investigação sobre a compra de respiradores pelo governo do estado começou no mês passado. No último dia 15 iinquérito foi instaurado para "eventual superfaturamento de ao menos R$ 4,9 milhões num contrato de R$ 9,9 milhões celebrado com a empresa 2A2 Comércio Serviços e Representações LTDA", informou o MP. Cada aparelho teria saído por R$ 198 mil, mais que o dobro do preço no mercado brasileiro.

O inquérito aponta que houve liberação antecipada de parte dos recursos para a empresa contratada. Isso mesmo com os preços mais altos e a falta de expertise dela na compra e venda de materiais hospitalares. Segundo o próprio contrato, a A2A Comércio é especializada em equipamentos de informática, informou o MP, que também investiga se o modelo previsto pela contratada é o mais adequado, segundo as especificações técnicas, para o uso em pacientes vítimas de Covid-19 .

A ação realizada nesta quinta foi batizada de Operação Mercadores do Caos e tem o apoio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Sonegação Fiscal e aos Ilícitos contra a Ordem Tributária (GAESF), de agentes da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI) e da Delegacia Fazendária (Delfaz), da Polícia Civil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários