Presidente Jair Bolsonaro
Agência Brasil
Presidente Jair Bolsonaro

A Justiça Federal de Brasília determinou que o presidente Jair Bolsonaro deve prestar,  em até 72 horas, explicações sobre a mudança no comando da Polícia Federal (PF) no Rio de Janeiro. A decisão da Justiça foi publicada nesta terça-feira (5), mesmo dia em que Carlos Henrique Oliveira foi demitido da chefia da PF do Rio .

Leia também: Fechados com o capitão: O que afasta e o que aproxima Bolsonaro de seus ministros

A Justiça atendeu a um pedido do advogado Rubens Nunes, um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre (MBL). Nunes havia questionado a legalidade da substituição na PF do Rio em um momento em que interferências políticas na corporação estão sendo investigadas. 

A Advocacia-Geral da União, responsável por atender esses requerimentos, informou, nesta quarta-feira (6) ao G1 , que não havia sido notificada da decisão da Justiça Federal, mas diz que tomará "as medidas judiciais cabíveis".

Nesta quarta (6), Tácio Muzzi foi nomeado o novo superintende da PF no Rio de Janeiro pelo atual diretor-geral da Polícia Federal, Rolando de Souza.

A substituição do comando da PF fluminense está sendo investigada pela Procuradoria Geral da República (PGR), dentro do inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que analisa as declarações do ex-ministro Sergio Moro contra Bolsonaro .

Leia também: Fake news é ferramenta política de Bolsonaro, diz cientista política

Moro alegou que Bolsonaro queria interferir politicamente na autonomia da corporação e que o presidente teria interesse principalmente na Superintendência fluminense. Em depoimento à Polícia Federal, Moro afirmou que Bolsonaro estava pressionando-o desde o início do ano para trocar o superintendente da PF do Rio .


    Veja Também

      Mostrar mais