homem apontando dedo para público
Jair Messias Bolsonaro / Facebook
Bolsonaro mandou jornalistas calarem a boca

Em conversa com seguidores em Brasília na manhã desta terça-feira (5), o presidente Jair Bolsonaro negou que profissionais da imprensa tenham sofrido agressões físicas em protestos realizados no último domingo.

Uma das seguidoras chegou a afirmar que havia "infiltrados" dentro dos protestos e que eles "apoiam o país". "Para vocês entenderem como é essa imprensa que está aí. Mandei levantar para ver se tinha corpo de delito", disse, concluindo que “se houve agressão, foi verbal, o que eles fazem todo tempo conosco”.

Leia também: Bolsonaro recebe no Planalto militar que executou ao menos 41 na ditadura

Quando um apoiador da cidade de Salvador começou a falar sobre problemas econômicos causados após a quarentena na cidade, Bolsonaro levou o homem até a área de jornalistas e disse para a imprensa “escutar o povo” e “parar de politicalha contra o Brasil”.

Em seguida, ele leu a manchete do jornal Folha de S.Paulo , afirmando que novo diretor da Polícia Federal acatou pedido do presidente para trocar o comando da PF no Rio de Janeiro. Classificando o jornal como “canalha", dizendo que não há parentes dele investigados e que o homem foi promovido a um cargo nacional.

Leia também: PGR quer cópia de vídeo em que Bolsonaro ameaçou Moro de demissão

Ao ouvir um jornalista iniciando uma pergunta, Bolsonaro dispara: “cala a boca, não te perguntei nada” e é aclamado pelos apoiadores. Quando outro repórter tenta fazer mais uma pergunta, ele o manda calar a boca novamente e finaliza: "não tenho nada contra o superintendente do Rio de Janeiro e não interfiro na Polícia Federal".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários