Allan Bubna tem 24 anos e é bacharel em relações internacionais, além de professor de inglês
Reprodução LinkedIn e Academia.edu
Allan Bubna tem 24 anos e é bacharel em relações internacionais, além de professor de inglês

Onyx Lorenzoni (DEM), ministro da cidadania, indicou o seu professor de inglês para trabalhar na assessoria internacional da pasta por um salário de R$ 10 mil. No dia 22 de abril, Allan Bubna, de 24 anos, esteve no ministério para dar entrada no processo de nomeação.

O professor é bacharel em Relações Internacionais pela UnB (Universidade de Brasília).​

Bubna confirmou ao jornal Folha de S.Paulo o convite feito por Lorenzoni, que disse ter conhecido o ministro na metade do ano passado. Na época, Lorenzoni estava na Casa Civil. "Tivemos, até o período de quarentena, aulas de inglês duas vezes por semana”, afirmou. 

A indicação de Lorenzoni para empregar seu professor é a da categoria DAS-4, no valor de R$ 10.373,30, a terceira maior remuneração entre os comissionados, de acordo com a tabela do governo federal.

Bubna foi indicado para assessorar o diplomata Maurício Carvalho Bernardes, que atualmente está na embaixada brasileira em Buenos Aires. A sua transferência e nomeação foi pedida pela Cidadania e está em trâmite. 

Você viu?

Procurada pelo jornal, a assessoria do ministério disse que “Allan foi indicado para compor a equipe de assessoramento internacional, sob chefia do diplomata Maurício Bernardes, mas não há no presente momento nenhum processo de admissão aberto”. O ministro não se pronunciou.

“Admito que minha carreira ainda está no começo”, afirmou Bubna. O professor relatou ter tido experiências em relações internacionais em uma ONG educacional em Uganda, na África. Ele afirma ainda que passou pelo Ministério de Relações Exteriores e pela Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados).

O professor é filiado ao PSOL mas declarou que a filiação é antiga, que não representa sua posição política atual e que providenciará a desfiliação.

Leia ainda:  Itamaraty deve manter diplomatas venezuelanos no Brasil, pede PGR


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários