Santa Casa de Misericórdia de São Paulo
Smsantacasasp
Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

Os senadores aprovaram nesta terça, por unanimidade, um projeto que prevê ajuda emergencial para hospitais  filantrópicos e Santas Casas em até R$ 2 bilhões neste ano para investir em atendimento na crise do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Segundo o autor do texto, o senador José Serra (PSDB-SP), o objetivo é preparar os atendimentos para atuar de maneira coordenada com o Ministério da Saúde e gestores estaduais e municipais do Sistema Único de Saúde (SUS) durante a pandemia . O projeto ainda precisa ser analisado pela Câmara dos Deputados.

O texto determina que a ajuda será dividida entre as Santas Casas e hospitais filantrópicas por critérios definidos pelo Ministério da Saúde, que deverá levar em conta os municípios brasileiros que possuem presídios. Segundo o relator, senador Major Olimpio (PSL-SP), a necessidade de incluir a previsão dos presídios se dá pela dificuldade gerada pela demanda excessiva "que se surge em razão dos problemas de saúde dos presos, que tem levado o Ministério Público a pressionar os gestores municipais que deem atendimento à essa demanda".

Leia também: Bolsonaro muda tom sobre covid-19 e assume medidas de combate à doença

O ministério também terá a obrigação de divulgar os montantes transferidos a cada uma das entidades. O auxílio será pago por meio do Fundo Nacional de Saúde (FNS) e todo o valor recebido deverá ser aplicado em aquisição de medicamentos, insumos, equipamentos, aumento de oferta de leitos e contratação e pagamento de profissionais para atender a demanda. As instituições, por sua vez, terão de prestar contas da aplicação dos recursos ao FNS, mas poderão dispensar processos de concorrência pública.

Olimpio destacou a importância das Santas Casas no atendimento de pacientes e a necessidade de ampliar a capacidade de atendimento neste momento. "Dada a posição relevante e estratégica que as Santas Casas ocupam para a efetividade e a resolutividade do SUS, é inegável que elas precisam de recursos adicionais para manterem essa posição, ampliarem seu funcionamento e oferecerem o maior número possível de leitos hospitalares e vagas em UTI, que serão essenciais para atender à nossa população quando o auge da pandemia atingir o país".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários