Saúde
Carolina Antunes/PR
Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta

A paciência de Jair Bolsonaro com Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde, está perto do fim. Segundo informações do colunista Tales Faria, o presidente tem dito a seus auxiliares que está "de saco cheio" e só não o demitiu ainda para não piorar a crise causada pela Covid-19 no país.

Leia também: Congresso avalia Bolsonaro como "incontrolável" e "incorrigível"

Ainda de acordo com a publicação, outro dos temores de Bolsonaro é que a saída de Mandetta do comando da pasta da Saúde cause um "rompimento definitivo" com parte do empresariado brasileiro que ajudou o atual presidente durante a campanha de 2018. De qualquer forma, ele já teria escolhido um possível substituto para o cargo: Antonio Barra Torres, médico da Marinha que atualmente ocupa a função de presidente da Anvisa.

As rusgas entre os dois, mesmo que sigilosas, vêm aumentando nos últimos dias, principalmente pelo posicionamento contrário do ministro em relação ao que o presidente prega: enquanto um sucessivamente aponta os efeitos positivos da quarentena, o outro insiste em descumprir orientações da OMS .

Recentemente, Mandetta chegou a afirmar que não irá pedir demissão e que não pretende abandonar "critérios técnicos" sobre tudo o que envolve o novo coronavírus (Sars-Cov-2). Tal posicionamento já levou a conversas internas entre os envolvidos e fez o ministro adotar tom diferente sobre a questão do isolamento.

Leia também: Twitter exclui duas postagens de Bolsonaro por violação de regras

Por outro lado, Mandetta parece contar com o apoio de diversos aliados nesta "batalha". Segundo informações do Jornal O Globo, eles preveem uma escalada dos conflitos com Bolsonaro , avaliam que os próximos 15 dias serão determinantes para "mostrar quem está certo" e pediram cautela e resistência por parte do ministro.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários