Aras tomou decisão com objetivo de esvaziar o MPF em meio a crise
Rousinei Coutinho/SCO/STF
Aras tomou decisão com objetivo de esvaziar o MPF em meio a crise

O procurador-geral da República, Augusto Aras , pediu nesta quinta-feira (26) que os servidores do Ministério Público Federal (MPF) tirem férias e esgotem o banco de horas. A medida tem como objetivo diminuir o impacto operacional da pandemia da Covid-19 .

A determinação vale para os funcionários que têm direito a férias referentes a 2018 e 2019 e atinge procuradores, procuradores regionais e subprocuradores e servidores de todos os níveis. No caso do banco de horas, os funcionários terão que esgotá-lo até 31 de maio.

Leia também: "Não tenho medo de Bolsonaro", diz Doria sobre ameaças de morte

Além disso, a portaria assinada por Aras diz que pretende evitar o acúmulo de pedidos de férias após o fim da pandemia, o que diminuiria a capacidade operacional do MPF.

Com os servidores em férias ou gozando do banco de horas, a expectativa é que o MPF fique esvaziado por conta da crise na saúde.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários