Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro
Fabiano Rocha / Agência O Globo
Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro

O prefeito Marcelo Crivella determinou neste domingo (22) o fechamento obrigatório do comércio na cidade. A medida valerá a partir do primeiro minuto da próxima terça-feira. Esta é mais uma medida para conter a propagação do novo coronavírus.

No decreto, porém, Crivella ressalta as exceções, veja:

• Farmácias; supermercados e hortifrutis (com recomendações para ampliar o serviço para 24 horas);

• Padarias (com a recomendação de que se evitem aglomerações);

• Pet Shops;

• Postos de gasolina (lojas de conveniência, porém, devem ficar fechadas);

• Lojas de equipamentos médicos e ortopédicos.

Leia também: Brasil tem 1.546 casos confirmados do coronavírus e 25 mortes, diz ministério

Em nota, o prefeito informou que essas são medidas 'por tempo indeterminado'.

"A comunidade médica e científica do município está monitorando o contágio, e nos dando informações. Precisamos proteger a população. A maioria das pessoas que moram em comunidades, por exemplo, trabalha no setor de comércio", disse.

Shoppings, bares, restaurantes e bancos

De acordo com o decreto, os shoppings deverão permanecer fechados (apenas com praças de alimentação funcionando, mas com recomendação para entrega em domicílio). Os bares e restaurantes funcionarão apenas com delivery. Os bancos também não poderão abrir, e a prestação do serviço deverá ser online.

Leia também: "Discussão completamente equivocada", diz Maia sobre adiar eleições municipais

Feiras livres

As feiras livres continuarão semanais para evitar aglomerações que poderiam existir se fossem quinzenais. Mas haverá um rodízio de funcionamento das barracas: as pares numa semana e a ímpares, em outra.

Serviços e da indústria

Por enquanto não há medidas restritivas para os setores de serviço (consultórios, escritórios e outros) e indústria.

Ajuda a ambulantes, taxistas e outros autônomos

Crivella informou que a Prefeitura encomendou 20 mil cestas básicas para doações a esses trabalhadores que dependem da circulação de pessoas nas ruas e que ficaram prejudicados com o confinamento da maior parte da população em casa.

O prefeito anunciou também a criação de um Fundo Solidariedade para arrecadar mais cestas básicas e outras doações importantes para ajudar esses grupos de profissionais. As informações sobre funcionamento do fundo e como será possível contribuir serão divulgadas em breve.

A Câmara Municipal votará esta semana a criação também do Fundo Emergencial de Combate ao Covid-19, para arrecadação de verba, por meio de doações, para contribuir na luta contra o novo coronavírus.

    Veja Também

      Mostrar mais