Bolsonaro
Reprodução
Presidente passou a maior parte do tempo fazendo críticas ao trabalho da imprensa

O presidente Jair Bolsonaro passou a maior parte dos 34 minutos da transmissão ao vivo pela internet na noite de ontem fazendo ataques a jornalistas e à imprensa, contrariado com reportagens sobre ele e seu governo. Acusou a jornalista Vera Magalhães, do “Estado de S.Paulo”, de ter mentido.

Leia também: Nova aliança da direita com o centro pode decidir todas as votações da Câmara

Ela revelou na terça-feira que o presidente repassou no WhatsApp um vídeo relacionado ao ato convocado contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal. Bolsonaro afirmou que a convocação seria de 2015, mas o vídeo publicado pela jornalista, e também obtido pelo GLOBO, trata do atentado sofrido por ele em 2018 e de sua posse no ano passado.

O presidente disse estar “apanhando” de “praticamente quase toda a mídia brasileira” há três dias, e citou os jornais O Globo, Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, além do Jornal Nacional, da TV Globo.

"É um vídeo que fala um pouco da minha vida, da facada, da campanha. Nada mais além disso. Agora, com toda a certeza, repito: não posso afirmar, não posso afirmar com toda a certeza, ela queria dar um furo, né?, queria dar um furo de reportagem com aquele meu vídeo convocando o pessoal para 15 de março, domingo. Mas ela, no seu afã de dar um furo jornalístico rapidamente, ela esqueceu de ver a data ali, que era 2015. Se bem que dá para ver, perceber um pouquinho no meu semblante, na minha cara, que eu tô um pouco mais jovem, né? Que cinco anos atrás, com 59, já faz uma certa diferença na fisionomia da gente, vai ficando mais velho. Agora é um trabalho porco, mais um trabalho porco, que a mídia toda repercutiu isso daí, em cima da Vera Magalhães", disparou.

O presidente então disse que publicaria no seu Facebook um vídeo no qual pede o comparecimento de apoiadores a um ato de cinco anos atrás. Até a conclusão desta edição, no entanto, ele não divulgou essa gravação.

Na verdade, a reportagem apontou que o presidente enviou um vídeo em tom emotivo, com uma mensagem dizendo que “o Brasil é nosso, não dos políticos de sempre”. Constam também os nome do general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que na semana passada foi flagrado acusando o Congresso de chantagear o governo. Bolsonaro prosseguiu dizendo que Vera conseguiu só um print do vídeo, mas a jornalista publicou a gravação.

Em nota, O Estado de São Paulo lamentou o ataque: "ao agir assim, ignorando os fatos, endossa conteúdos falsos".

O primeiro tópico da transmissão ao vivo foi um ataque ao colunista da Época Guilherme Amado. O jornalista publicou uma nota de que as “mesas de café da manhã de Jair Bolsonaro na eleição eram fakes ”, pensadas em passar a imagem de uma pessoa simples, citando ter recebido a informação de uma pessoa com livre acesso à família do presidente.

"Não vou baixar o nível aqui para dizer quem é essa fonte. Essa fonte, com toda a certeza, conhece o Guilherme desde quando ele nasceu. Mas tudo bem", declarou Bolsonaro, que ainda chamou Amado de "bocó da mídia".

Amado respondeu que sua informação tem origem em uma fonte até hoje próxima à família do presidente, que pediu anonimato, e foi confirmada com outras duas pessoas. Uma delas é o deputado Alexandre Frota, que declarou ao colunista ter presenciado durante a campanha a preocupação com as imagens do café.

Leia também: Tabata Amaral diz que partidos são barreira da renovação da democracia

Ao fazer ataques a Vera Magalhães, o presidente afirmou que sofre críticas da imprensa por ter reduzido gastos com publicidade. Bolsonaro disse na sequência que vai se reunir com empresários em São Paulo no mês que vem e pedirá que eles não anunciem em jornais e revistas como a Época e a “Folha de S.Paulo”.

Em meio às críticas à imprensa na transmissão, Bolsonaro falou sobre a estreia da CNN Brasil e disse que será uma rede diferente da Globo, “pelo que eu estou sabendo”. Ele sugeriu que seus ministros não concedam entrevistas para emissoras sem “compromisso com a verdade”.

    Veja Também

      Mostrar mais