Jair Bolsonaro
Carolina Antunes/PR
Bolsonaro participou de inauguração de obra no Rio de Janeiro

Durante a inauguração da alça viária que ligará a Ponte Rio-Niterói à Linha Vermelha, que ocorreu na tarde deste sábado, na Zona Portuária do Rio, o presidente Jair Bolsonaro alfinetou o governador do Rio Wilson Witzel , mas sem citar seu nome. "Nós sabemos que há pouco um governador quis botar na agência dele um energúmeno. Não dá certo", disse em meio a uma fala sobre a necessidade de indicar pessoas capacitadas para integrar agências reguladoras.

Após o fim da cerimônia, durante entrevista com jornalistas, ele foi questionado sobre quem seria o energúmeno ao qual havia se referido. "Vá no dicionário. Você fez faculdade para isso", disse ele ao repórter, parecendo ter entendido que o jornalista havia questionado o significado da palavra.

As obras da alça viária foram feitas pela concessionária Ecoponte, que administra a Ponte Rio-Niterói. Apesar da construção ter sido realizada com o apoio da prefeitura e governo do estado, Witzel não compareceu ao evento. A concessão da ponte Rio-Niterói é federal.

Leia também: Bolsonaro repete de "banana" contra imprensa e cobra elogios

Já o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, que busca apoio de Bolsonaro para as eleições municipais deste ano, esteve na inauguração. Ele subiu ao palco do evento e discursou. O político usou parte de seu tempo para, mais uma vez, criticar a concessionária que atualmente administra a Linha Amarela.

"A Linha Amarela, diferentemente da Ponte, tem o pedágio mais caro do Brasil e não está investindo R$ 500 milhões (referindo-se aos investimentos feitos pela Ecoponte). Pelo contrário. Deu um prejuizo de R$ 500, atestado pelo nossa controladoria, nossos engenheiros, e pelo Tribunal de Contas do município. Esperamos poder convidar vossa excelência, quem sabe um dia, a devolver a Linha Amarela ao povo", afirmou.

Leia também: "O Brasil é laico, mas o presidente é cristão", diz Bolsonaro em comemoração

Além de Crivella, também estavam na inauguração o prefeito de Angra, Fernando Jordão (PMDB), o de São Gonçalo, José Luiz Nanci (Cidadania) e de Niterói, Rodrigo Neves (PDT). Também havia parlamentares presentes, como o deputado estadual Fernando Salema (PSL) e a deputada federal Flordelis dos Santos (PSD).

Inauguração

A alça que passou a ligar a Ponte Rio-Niterói à Linha Vermelha foi inaugurada na tarde deste sábado. A obra, que durou 20 meses, custou R$ 230 milhões e foi realizada pela Concessionária Ecoponte. A expectativa é de que a via desafogue o trânsito na saída da ponte, já que os motoristas não precisarão mais passar pelo início da Avenida Brasil em direção à Zona Oeste do Rio.

O fluxo previsto é de 15 mil carros por dia. Com 2,5 quilômetros de extensão, o acesso será exclusivo para veículos coletivos e de passeio. Caminhões não poderão passar pela via. A concessionária segue ainda a construção da Avenida Portuária, via com dois sentidos para veículos de cargas que ligará Manguinhos, na Avenida Brasil, com o portão 32 do Cais do Porto, no Caju. Essa obra tem previsão para ser finalizada até agosto deste ano.

Leia também: Para Bolsonaro, reservas indígenas de antecessores são “indústria de demarcação"

A Ecoponte tem ainda a promessa de investir R$ 6,5 milhões em melhorias no bairro do Caju. A previsão é de que sejam feitas pavimentação de ruas, implantação de novo sistema de drenagem, construção de áreas de lazer e melhorias no sistema viário. O projeto foi realizado em parceria com a Prefeitura do Rio.

    Veja Também

      Mostrar mais