Fábio Wajngarten, chefe da Secom
Marcos Corrêa/PR
Fábio Wajngarten, chefe da Secom

O chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom) do governo federal, Fabio Wajngarte, propôs nesta quinta-feira (13) deixar de ser sócio de sua empresa, que recebia dinheiro de emissoras de TV e agências de publicidades que eram contratadas pela própria Secom e outros órgãos do governo. Sua parte da empresa seria transferida para sua esposa, Sophie Wajngarten.

Leia também: Wajngarten vira alvo de inquérito da PF por suspeita de corrupção e peculato

A sugestão do chefe da Secom foi dada durante defesa à Comissão de Ética Pública da Presidência, que está analisando a ilegalidade do vínculo dele com o negócio, já que a Legislação proíbe que membros do governo tenham relação com empresas que possam se beneficiar de decisões tomadas pelo integrante – o que configura conflito de interesses . Na próxima semana, a comissão decidirá o caso.

Wajngarten propõ e que sua parte da empresa seja passada para a publicitária Sophie Wajngarten , com quem é casado em regime de comunhão parcial de bens. A administração do negócio também ficaria sobre o comando dela, de acordo com ele.

Leia também: Após abertura de inquérito, Bolsonaro defende chefe da Secom: "Não é criminoso"

Atualmente, o empresário Fabio Liberman é o responsável pela empresa. Ele é irmão do secretário-adjunto da Secom, Samy Liberman, que é amigo de infância de Wajngarten. Samy recebeu o cargo por indicação do chefe da Secom .


    Veja Também

      Mostrar mais