Ex-governador Eduardo Azeredo
Valter Campanato/ABr
Ex-governador Eduardo Azeredo

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a condenação do ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo no caso do mensalão tucano. Os ministros da Quinta Turma, no entanto, determinaram a redução da pena de 20 anos e um mês para 15 anos, 7 meses e 20 dias.

Azeredo foi condenado por peculato e lavagem de dinheiro por desvio de dinheiro de estatais em benefício de sua campanha à reeleição ao governo estadual, em 1998. O esquema consistia no uso das empresas para a compra de cotas de patrocínios de eventos esportivos. A verba, no entanto, não era direcionada para os recursos e abastecia o caixa da campanha.

Leia também: Anastasia comunica saída do PSDB e vai se filiar ao PSD

Azeredo governou o estado pelo PSDB e deixou o partido no ano passado. A redução de pena aconteceu porque os ministros consideraram que o aumento, no cálculo relativo ao crime de peculato, em função de ele ter sido governador foi considerado duas vezes pela Justiça de Minas Gerais.

A defesa do ex-governador pedia a nulidade da sentença. Os ministros entenderam que a condenação está baseada em provas, como documentos, perícias, extratos bancários e depoimentos de testemunhas.

Leia também: Apesar das chuvas, dez cidades mineiras ainda enfrentam os efeitos da seca

Azeredo deixou a cadeia em novembro do ano passado, beneficiado pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que condicionou a prisão ao trânsito em julgado da sentença.

    Veja Também

      Mostrar mais