Doria e Covas
Antonio Cicero/PhotoPress/Agência O Globo
Uma forte chuva causa vários alagamentos, engarrafamentos e interrupção de linhas de trem da CPTM nas cidade de São Paulo e Osasco


Os último três prefeitos da cidade de São Paulo (Fernando Haddad, João Doria e Bruno Covas) deixaram de investir entre 2015 e 2019 o equivalente a R$ 2,7 bilhões em obras anticheia durante o período de chuva na capital.  As últimas três administrações tinham um plano em comum de desembolsar o total de R$ 3,8 bilhões (em números atualizados) em obras em corrégos, mas, apenas R$ 1, 1 bilhão foi gasto no período de cinco anos.

Intervenções em corrégos com histórico de transbordamento, drenagem, retirada de entulho e desassoreamento de rios e corrégos são alguns dos serviços de zeladoria urbana que a Prefeitura de São Paulo tinham planejamento orçamentário para investir. Esses, porém, não saíram do papel. Segundo dados compilados pelo jornal  O Estado de S.Paulo  , entre 2014 e 2019 86% da verba destinada para conter danos gerados pela chuva foi utilizada, representando R$ 835  milhões dos R$ 970 milhões disponíveis.

Leia também:  Haddad ataca PSDB e Frota rebate: "Fecha a boca para não passar vergonha"

Um dos motivos atribuidos para que o investimento não fosse feito é a não transferência de recursos federais para a Prefeitura de São Paulo, como havia sido combinado. Durante a gestão Haddad (PT), no ano de 2016, o governo federal deveria transferir R$ 756 milhões para serem utilizados em obras de controles de cheias, porém R$ 16 milhões foram repassados à cidade ao final daquele ano. Haddad respondeu  em nota ao UOL:  "O que fiz com os córregos é equivalente à construção de dez piscinões", o ex-prefeito assumiu não ter cumprido o planejamento, por conta dos repasses não terem sido feitos pelo governo federal.

Leia também:   Maia volta a defender que Doria, Ciro ou Huck sejam candidatos do Centrão

Doria e Covas (PSDB) previam investir a partir de recursos obtidos em operações de crédito - empréstimos entre Prefeitura e instituições financeiras. Durante a gestão de João Doria o planejamento era de investir R$ 46 milhões, mas não houve desembolso. Já durante a administração Covas, a Prefeitura estimava gastar R$ 133 milhões oriundos das operações de crédito, mas R$ 171 mil foram investidos. Os políticos do PSDB não se manifestaram sobre o motivo de não terem cumprido o planejamento.


    Veja Também

      Mostrar mais