Damares
Marcos Corrêa/PR
Ministra Damares Alves vai testar projeto sem o auxílio do Ministério da Saúde

Sem apoio do Ministério da Saúde para campanha mais enfática sobre abstinência sexual, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, quer desenvolver o "Plano Nacional de Prevenção ao Risco Sexual Precoce" por conta própria. Para isso, vai testar a iniciativa em três cidades do Norte e Nordeste. Lançada esta semana, a campanha da Semana Nacional de Prevenção da Gravidez Precoce foi tímida sobre o tema, já que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é contra usar o termo "abstinência sexual" como método contraceptivo. As informações são do jornal O Dia .

Leia também: Doria, Huck ou Ciro? Maia defende nome único do centro para eleições de 2022

O ministério de Damares informou que contratará consultorias especializadas no país e exterior. Em nota, a pasta informou que tem a intenção de implantar "projetos-pilotos" da iniciativa em três cidades brasileiras que apresentem altas taxas de gravidez na adolescência e que "provavelmente" isso acontecerá no Norte e Nordeste.

Cerca de 930 adolescentes entre 15 anos e 19 anos dão à luz todos os dias, segundo dados do Ministério da Saúde. No ano passado, o número total de mães adolescentes chegou a 435 mil. Quando consideradas as gravidezes entre meninas de até 14 anos, o número subiu a quase 480 mil.

De acordo com o Ministério da Mulher Família e Direitos Humanos, os "projetos-piloto" nos três municípios servirão para coleta de dados.

Leia também: Herói no cinema e no meio ambiente, morcego é muitas vezes associado a algo ruim

Só depois seria elaborada uma política pública de âmbito nacional para tentar retardar o início das relações sexuais entre pré-adolescentes e adolescentes.

    Veja Também

      Mostrar mais