Lulinha
Reprodução
Filho de Lula é investigado por relações das empresas dele com a telefônica Oi/Telemar

Um mês antes da deflagração da Operação Mapa da Mina , a 69ª fase da Lava Jato , Fábio Luís Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula e conhecido como Lulinha , rompeu sociedade que ele tinha com o empresário Jonas Suassuna , dono do sítio Santa Bárbara, em Atibaia . A informação consta em documentos apreendidos pela Polícia Federal no dia 10 de dezembro.

O sítio foi o motivo da condenação de Lula a 17 anos e um mês de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Embora os proprietários formais do imóvel sejam Suassuna e Fernando Bittar, as investigações do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região concluíram que as reformas, feitas pela OAS e a Odebrecht, eram propinas para Lula.

Leia também: E-mails mostram "direcionamento político" em contratos com empresas de Lulinha

A Operação Mapa da Mina investiga pagamentos suspeitos de R$ 132 milhões da Oi para empresas do filho do ex-presidente Lula. De acordo com denúncia do Ministério Público Federal, tais pagamentos foram realizados sem justificativa econômica plausível enquanto o grupo Oi/Telemar foi beneficiado por diversos atos praticados pelo governo federal.

Contratos e notas fiscais colhidas pela operação, além da quebra de sigilo bancário e fiscal que demonstrariam que as empresas do grupo Oi/Telmar contrataram as empresas de Lulinha sem cotação de preços e com pagamentos acima dos valores contratados e praticados no mercado, bem como teriam realizado pagamentos por serviços não executados.

    Veja Também

      Mostrar mais