Augusto Aras no STF
Rousinei Coutinho/SCO/STF
Aras pediu não conhecimento de ação ajuizada pelo PSOL

O procurador-geral da República, Augusto Aras , enviou manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF) na última sexta-feira (31) pedindo o não conhecimento de uma ação enviada pelo PSOL contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. Na ação, o partido pede que o Rio de Janeiro "se abstenha de adotar a política pública de segurança que estimule o abatimento e/ou neutralização de pessoas".

A legenda abriu a ação se referindo ao episódio no qual Witzel disse que os policiais deveriam "mirar na cabecinha" de criminosos. "O correto é matar o bandido que está de fuzil. A polícia vai fazer o correto: vai mirar na cabecinha e… fogo! Para não ter erro", disse o governador em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo .

Leia também: Aras dá cargo de R$9 mil a sobrinha de seu braço direito na Procuradoria

A decisão de Aras, no entanto, é que há na ação "insurgência generalizada" sobre pronunciamentos e comportamentos de Witzel. Para ele, não é possível que haja "cerceamento prévio e genérico da palavra do governador".

Segundo o PSOL, a linguagem do chefe do executivo no Rio "exterioriza uma política pública de segurança baseada no extermínio, abate, neutralização de ‘bandidos portando fuzis".

    Veja Também

      Mostrar mais