Tamanho do texto

Em depoimento ao juiz federal Marcelo Bretas, Sérgio de Oliveira Castro disse que entregava envelopes aos emedebistas pessoalmente

Cabral e Pezão se beneficiaram de propinas arrow-options
Divulgação
Cabral e Pezão se beneficiaram de propinas


Em depoimento ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, um dos operadores do ex-governador Sérgio Cabral (MDB), Sérgio de Oliveira Castro, confirmou que Cabral e o também ex-governador Luiz Fernando Pezão recebiam mesadas de propina, de R$50 mil a R$150 mil. Castro fechou acordo de delação com o Ministério Público Federal (MPF) em setembro do ano passado, mas informação só foi divulgada nesta terça-feira.

Leia também: Ex-governador do Rio, Pezão deixa a prisão um dia após decisão do STJ

Serjão — como o operador é conhecido — afirmou que ele era o responsável por entregar as "sacolas" e "envelopes" de propina em dinheiro vivo aos integrantes do esquema de fraudes na Secretaria de Obras do governo do Estado nos governos dos emedebistas.

O interrogatório do ex-governador Pezão estava marcado para esta terça-feira, mas o depoimento foi adiado por Bretas para o início de fevereiro.