Peça do Aliança pelo Brasil feita com balas por Rodrigo Camacho
Reprodução/Twitter
Peça do Aliança pelo Brasil feita com balas por Rodrigo Camacho

O Aliança pelo Brasil , partido que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) quer criar, mudou de estratégia nas últimas duas semanas para conseguir viabilizar a coleta de assinaturas a tempo de ter um registro até as eleições municipais de 2020.

O grupo divulgou uma ficha de apoio, instruindo eleitores a preencher os formulários e registrarem esses documentos com firma reconhecida nos cartórios de suas cidades. A ideia inicial era que o Aliança pagasse pelo envio desses documentos a São Paulo, e depois os remetesse de volta aos cartórios eleitorais de cada região.

Leia também: Bolsonaro diz que chance do Aliança disputar as eleições de 2020 é de 1%

O grupo estimou, porém, que essa operação custaria em torno de R$ 300 mil, e optou por descentralizar a operação. Agora, voluntários em cada cidade irão coletar os registros nos cartórios de notas e levar as assinaturas até a Justiça eleitoral nos respectivos domicílios dos apoiadores, onde elas serão verificadas.

Segundo o Aliança, 118 mil apoiadores já imprimiram as fichas de apoio ao partido (73% são apoiadores do sexo masculino). Não é possível saber, até agora, quantos formulários foram registrados em cartórios pelo país. O grupo também recebeu fichas preenchidas que foram enviadas para a sede da operação, em São Paulo.

Leia também: Autor de mural de balas da Aliança pelo Brasil vai expor obra nos Estados Unidos

É preciso coletar 492 mil assinaturas para criar um partido no Brasil, distribuídas proporcionalmente conforme o eleitorado de cada estado. Como muitas assinaturas costumam ser consideradas inválidas na verificação, o Aliança precisa entregar um número ainda maior do que esse. O prazo estipulado pelo movimento é o início de março, para que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) possa registrar o partido até abril.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários