Tamanho do texto

Levantamento da consultoria Quaest divulgado pela Folha de S. Paulo mostra que ex-apoiadores do presidente perderam popularidade digital ao entrar em embates frequentes com Bolsonaro

A popularidade digital de ex-apoiadores de Jair Bolsonaro que entraram em embates com o presidente durante o ano despencou nestes momentos. É o que aponta uma pesquisa da consultoria Quaest divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo nest quarta-feira (1º). Entre os maiores afetados estão os governadores João Doria (PSDB) e Wilson Witzel (PSC) e a deputada federal Joice Hasselmann (PSL).

Leia também: 'Quero começar bem o ano', diz Bolsonaro ao negar entrevista

Depois de fazer campanha com o o slogan "Bolsodoria" durante o segundo turno das eleições de 2018, Doria começou o gfoverno de São Paulo buscando manter um bom relacionamento com o presidente, mas entrou em divergências sobretudo na defesa do que era, para o governador, a manutenção da democracia. O primeiro embate apareceu depois que o tucano criticou o presidente por querer comemorar a data do golpe militar de 1964.

O governador de São Paulo também despencou em popularidade nas redes sociais depois de afirmar que o PSDB não deve estar automaticamente ao lado de B olsonaro .

Leia também: Bolsonaro deseja 2020 ‘tão vitorioso quanto 2019’

Já os embates de Wilson Witzel foram maiores. O governador do Rio de Janeiro virou inimigo de Bolsonaro, que o acusou de vazar informações sigilosas da justiça que envolviam o seu nome e o de seu filho na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL).

O ex-juiz federal também já se colocou diversas vezes como possível candidato à presidência em 2022, tentando assim se disvirtuar do atual presidente. Em todas essas ocasiões, aponta a Quaest, Witzel despencou na popularidade das redes sociais.

Leia também: Político italiano quer aliança com Bolsonaro e Trump em 2020

Já a deputada Joice Hasselmann teve diversos embates com o filho de Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro. Ex-líder do governo no Congresso, a parlamentar foi escanteada após a briga do presidente com Luciano Bivar, grande comandante do PSL. Na época, Bolsonaro queria que Eduardo Bolsonaro passasse a ser o líder do partido na Câmara, mas não conseguiu. Joice ficou ao lado do partido e trocou ofensas com Eduardo nas redes sociais.

A deputada, que foi a segunda mais votada na história do Brasil, perdeu milhares de seguidores nas redes sociais após rachar com Bolsonaro.