DiasToffoli
Nelson Jr./SCO/STF
O atual presidente do STF, ministro DiasToffoli

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou o governo federal transferir imediatamente aos fundos estaduais metade dos recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP) que são provenientes das loterias. Ele também proibiu o contingenciamento de novos recursos. A decisão foi tomada a pedido do Distrito Federal e todos os estados brasileiros, com exceção da Paraíba.

Leia também: 'Papai Noel' prende suspeito de roubo durante entrega de presentes

Uma lei de 2018 veda o contingenciamento dos recursos do FNSP , alimentado com dinheiro das loterias e outra fontes. Mas, segundo os estados, o governo federal represou R$ 1,14 bilhão.

Em sua decisão, Toffoli destacou que existe a "obrigação de transferência, pela União, de no mínimo 50% dos recursos do referido Fundo, arrecadados com as loterias , para os Estados e o Distrito Federal independentemente da celebração de convênio, de contrato de repasse ou de instrumento congênere".

Leia também: Vídeo flagra PMs atirando de dentro de viatura durante racha

Também ressaltou o trecho da lei que proíbe o contingenciamento, e lembrou que o STF já vedou essa prática em relação ao Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), em julgamento ocorrido em setembro de 2015.

Em parecer apresentado no STF na semana passada, a Advocacia-Geral da União (AGU) se posicionou contra o pedido dos estados. No documento, o órgão reconhece que a Lei Orçamentária Anual de 2019 "alocou parcela das receitas do fundo em uma reserva de contingência específica, vinculada ao próprio Ministério da Justiça e Segurança Pública". Mas diz que, embora essa proposta tenha sido feito pelo governo federal, ela foi aprovado pelo Congresso.

Leia também: Mulher é assassinada cinco dias após morte da filha de 1 ano

"Tal decisão teve como fundamento a necessidade de cumprir normas orçamentário-financeiras inerentes ao próprio funcionamento fiscalmente responsável das finanças públicas: (i) o limite de gastos imposto pelo Novo Regime Fiscal (arts. 106 a 114 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias); e (ii) a meta de resultado fiscal fixada na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2019 (Lei nº 13.707/2018)", diz trecho do documento da AGU.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários