Jair Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR
Jair Bolsonaro conversou com jornalistas na área da piscina do Palácio do Alvorada neste sábado (21)

O presidente Jair Bolsonaro disse, neste sábado (21), que há um abuso do Ministério Público nas investigações envolvendo o suposto esquema de "rachadinha" no gabinete de seu filho, o senador Flávio Bolsonaro, na época em que era deputado estadual no Rio. Bolsonaro defendeu um controle sobre o órgão, mas afirmou não fazer qualquer movimento para atrapalhar a investigação.

Leia também: Bolsonaro é contra federalizar investigação do assassinato de Marielle

"Então, a questão do MP. Tá sendo um abuso. É o que noto. Qual a interferência minha? zero", disse o presidente sobre o caso Flávio Bolsonaro .

A declaração foi dada pelo presidente na área da piscina do Palácio do Alvorada, onde recebeu jornalistas que cobrem o dia-a-dia do governo para uma conversa sobre um balanço de seu primeiro ano de mandato.

Ele aceitou conceder a entrevista, mas pediu que repórteres não questionassem sobre a vida pessoal. Durante a conversa, no entanto, disse que encerraria a entrevista se fizessem "alguma pergunta chata." Em seguida, sobre a investigações de Flávio e ele respondeu, afirmando que não daria espaço a mais questionamentos sobre o tema.

"Vou responder sem a réplica. O processo está em segredo de Justiça? Te respondo, tá. Quem é que julga. O MP ou juiz? Os caras vazam e julgam, paciência, pô", afirmou.

Leia também: Bolsonaro é o presidente com mais Medidas Provisórias barradas desde 2003

Bolsonaro afirmou ainda que há um "estardalhaço" com objetivo apenas de promover um desgaste. Ele ainda criticou o vazamento de detalhes da investigação que estão sob segredo de justiça.

"Qual é a intenção? Um estardalhaço enorme. Será porque falta materialidade para ele e o que vale é o desgaste agora? Quem está feliz com essa exposição aí absurda na mídia? Alguém está feliz com isso", opinou, sinalizando que o assunto o incômoda: "Agora, se eu não tiver a cabeça no lugar, eu alopro", acrescentou.

Controle do MP

Flávio Bolsonaro e Jair Bolsonaro
PSL / DIVULGAÇAO
Flávio Bolsonaro e Jair Bolsonaro

O presidente lembrou que o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) repassou dados de seu filho Flávio e criticou a divulgação das informações pelo Ministério Público.

"Por exemplo, se entra na conta de uma funcionária R$ 60 mil, ela botando na minha conta. Vai ser um escândalo. No dia seguinte, vou mostrar que vendi o carro para ela. Já está feita a besteira. É assim que se deve comportar o Ministério Público?", questionou.

Leia também: Indulto vai ter capítulo especial para policiais, diz Bolsonaro

Bolsonaro, em seguida, defendeu uma forma de controle ao Ministério Público, que não seja exercida pelo poder Executivo.

"Todo poder ter que ter uma forma de sofrer um controle. Não é do Executivo, é um controle. Quando começa perder o controle, busca pelo em ovo... Eu sou réu no Supremo, sofri muito processo os mais variados possíveis", completou Bolsonaro .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários