Tamanho do texto

Em nota, ele diz que saiu do caso por "motivos de foro íntimo" e reafirma a inocência do ex-cliente com "plena e absoluta convicção"

Flávio Bolsonaro e Queiroz arrow-options
Reprodução/Instagram
Queiroz foi o operador do esquema de rachadinhas de Flávio na Alerj

O advogado Paulo Klein deixou nesta quinta-feira (19) a defesa de Fabrício Queiroz , ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio ( Alerj ). Em nota, o advogado alega "motivos de foro íntimo".

"Paulo Klein, advogado do senhor Fabrício Queiroz, vem por meio desta nota informar que não mais representa os interesses dele e de sua respsctiva família, por questões de foro íntimo, nada obstante tenha plena e absoluta convicção da inocência deles com relação aos fatos ora investigados pelo Ministério Público", diz a nota.

Nesta quarta-feira (18), Queiroz foi um dos alvos de mandados de busca e apreensão decretadas pelo juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau. Segundo a promotoria, o ex-assessor parlamentar recebia parcelas do salário de servidores indicados pelo deputado por meio de depósitos bancários. Em seguida, realizava saques para repassar os valores.

Leia também: "Não tenho nada a ver com isso", diz Bolsonaro sobre suspeitas contra Flávio

De acordo com um relatório do Ministério Público, Queiroz teria recebido R$ 2 milhões por meio de 483 depósitos feitos por servidores indicados por Flávio Bolsonaro, o filho 01 do presidente Jair Bolsonaro.

Além de atuar arrecadando os salários, ele também tinha a função de indicar pessoas de confiança para cargos no gabinete de Flávio quando ele ainda era deputado estadual do Rio de Janeiro.