Tamanho do texto

Ouvido na CPMI das Fake News nesta terça-feira, Paulo Marinho revelou detalhes da presença do ex-assessor de Flávio Bolsonaro durante a campanha de Jair Bolsonaro à Presidência da República

Paulo Marinho na CPMI das Fake News arrow-options
Roque de Sá/Agência Senado
Paulo Marinho contou que Queiroz esteve em sua casa durante a campanha presidencial de Bolsonaro


Ouvido na CPMI das Fake News na tarde desta terça-feira (10), o atual presidente do PSDB no Rio de Janeiro e suplente de Flávio Bolsonaro no Senado, Paulo Marinho, deu detalhes sobre como se deu a campanha de Bolsonaro em 2018. Era na casa do empresário que acontecia todas as estratégias de campanha e as gravações dos programas para televisão e rádio. Dentre as revelações, Marinho contou que Fabrício Queiroz esteve algumas vezes em sua casa durante o período das eleições.

Leia também: Empresário que apoiou Bolsonaro reúne "novo PSDB" no Rio de olho em 2020

Acusado de cometer movimentações financeiras na casa de R$ 3 milhões no período em que era assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Fabrício Queiroz é investigado pelo Ministério Público e tem o seu nome ligado à família Bolsonaro.

Segundo Paulo Marinho , o ex-assessor de Flávio Bolsonaro esteve pelo menos três vezes em sua casa, sempre acompanhado do filho do presidente. O empresário também informou que Queiroz era visto como "motorista" do hoje senador, além de fazer alguns trabalhos extras, que não soube especificar.

Leia também: Doria vira cidadão carioca e aponta Paulo Marinho para reerguer PSDB no Rio

Com relação à denuncias de disparos de notícias mentirosas em grupos de WhatsApp, Paulo Marinho negou que isso acontecesse e que algumas vezes disparou notícias para algumas pessoas de sua agenda, sem qualquer intenção de que aquilo fosse compartilhado inúmeras vezes.

Grande amigo de Gustavo Bebianno, ex-secretário-geral da Presidência no governo Bolsonaro e presidente interino do PSL durante as eleições de 2018, Paulo Marinho migrou para o PSDB neste ano assim que o ex-ministro foi demitido. Ambos se filiaram ao partido tucano e tiveram apoio do governador de São Paulo João Doria, que vê nos dois uma boa oportunidade de fortalecer a sigla no Rio de Janeiro.

    Leia tudo sobre: casa