Tamanho do texto

A ex-presidenta Dilma Rousseff, não esquece o tom usado por Marta em 2016, quando defendeu o impeachment e apoiou ideia de Janaina Paschoal

Dilma Rousseff arrow-options
Clarissa Neher/Deutsche Welle
Ex-presidenta Dilma Rousseff pode ter resistências diante do possível retorno de Marta ao PT.

A volta da ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy , para o Partido dos Trabalhadores (PT) pode sofrer resistências de  membros da sigla. Na avaliação da legenda, segundo a colunista da Folha de São Paulo, Mônica Bergamo, a ex-presidenta Dilma Rousseff não esquece o tom usado por Marta quando defendeu seu impeachment, em 2016.

Leia mais: Lula tenta atrair Marta Suplicy para o PT

Outro episódio relembrado pela ex-presidenta petistas é o o dia em que Marta entregou a deputada Janaina Paschoal um buquê de flores. Janaína foi a autora do pedido de impeachment que tirou Dilma da presidência. Marta também aplaudiu Paschoal de pé, no dia seguinte à entrega das flores. 

Convite

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu, no dia 21 de novembro, que o PT lance o maior número possível de candidaturas próprias em cidades importantes durante as eleições municipais de 2020. 

Leia também: Entenda história por trás do sequestro em que refém saiu com cerveja na mão

Lula e aliados da legenda tentam se aproximar de Marta Suplicy , que rompeu com o PT em 2015. As possibilidades de retorno para a antiga legenda pode ser pela candidatura em São Paulo. Outra alternativa é a filiação de Marta a outro partido para sair como vice em uma chapa encabeçada pelo Partido dos Trabalhadores (PT).