Tamanho do texto

Parlamentar está sendo acusado de racismo após ter quebrado uma placa com charge que denunciava o número elevado de negros por policiais

Coronel Tadeu arrow-options
Câmara dos Deputados
Coronel Tadeu (PSL-SP) disse que é 'óbvio' que jovens negros sejam mais assassinados porque 'são maioria'.

O deputado Coronel Tadeu (PSL-SP), que quebrou uma placa em uma exposição da Câmara em homenagem à Consciência Negra, disse que o número expressivo de mortes de jovens negros tem justificativa ligada a maior presença dos negros no tráfico.

"É muita demagogia para uma questão óbvia, pura matemática: se a maioria da população do Brasil é negra, é óbvio que vão morrer mais negros. Por que não morrem negros na Alamanha, na Finlândia? Porque lá praticamente não tem negros", disse ao Estado de Minas.

Leia mais: Bolsonaro envia ao Congresso projeto que isenta militar de punição em operações

Ao jornal Folha de São Paulo, o parlamentar disse que o tráfico absorve boa parte das pessoas que moram nas comunidades, e que a maioria dessas pessoas é de origem negra . "Então, portanto, o resultado disso é que, em confronto com policiais , as [pessoas] que estão no tráfico acabam sendo vitimadas no confronto. E aí, se a maioria é negra, o resultado só pode ser esse", disse o Coronel. 

Leia também: Lançamento de novo partido de Bolsonaro tem logo feito com cartuchos de balas

A placa destruída pelo Coronel Tadeu denunciava mortes de jovens negros pela polícia. Os números atuais de mortos em intervenções da polícia apontam que 75,4% são negros, de acordo com informações divulgadas pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública deste ano. 

"Claro que eles [a oposição] faz o jogo deles, e eles vão me acusar de racista , fascista , tudo o que é 'ista'. Eu não preciso estar bem com eles, eu preciso estar bem com minha consciência", contou à Folha. O parlamentar disse, ainda, que não teme ser punido pelo Conselho de Ética da Câmara.