Dezenas de celulares conectados a cabos em cima da mesa com o WhatsApp aberto
Divulgação
Documento do WhatsApp foi enviado à CPMI das fake news

O WhatsApp informou que baniu mais de 400 mil contas no país durante a campanha eleitoral do ano passado. Em ofício enviado à CPMI das Fake News, a empresa disse que os usuários foram derrubados por violarem os termos de uso, o que inclui o disparo de mensagens de maneira automatizada. No documento, o WhatsApp salienta que a análise não levou em conta o conteúdo do que foi enviado, já que o serviço de mensagens é criptografado.

O documento foi enviado pela empresa na semana passada e disponibilizado nesta segunda-feira (18). Além de desinformação, a comissão que investiga o caso também pediu à empresa os dados de contas banidas mensagens com discurso de ódio. O período da informações é de 15 de agosto a 28 de outubro de 2018.

Leia também: Números que enviaram mensagens pró-Bolsonaro devem ser divulgados, diz TSE

"Como o WhatsApp é uma plataforma criptografada, nossas decisões contra atividades automatizadas e de envio de mensagens em massa são baseadas no comportamento das contas ao invés do conteúdo de mensagens", diz o documento da empresa.

Ainda de acordo com a empresa, cerca de dois milhões de contas são banidas por mês em todo o mundo. "O WhatsApp proíbe expressamente o uso de qualquer aplicativo ou robô para enviar mensagens em massa ou para criar contas ou grupos de maneiras não autorizadas ou automatizadas", diz outro trecho do documento.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários