Tamanho do texto

Alvo da Lava Jato, Dario Messer foi preso em julho após permanecer foragido; defesa havia pedido troca de prisão por medidas cautelares

Gilmar Mendes arrow-options
Nelson Jr./SCO/STF
Ministro é conhecido por libertar presos da Lava Jato

O ministro Gilmar Mendes , do Supremo Tribunal Federal (STF), negou liminar em habeas corpus a Dario Messer, um dos alvos da Lava Jato do Rio de Janeiro. Conhecido como o " doleiro dos doleiros ", ele foi preso em julho deste ano. Entre os motivos citados por Gilmar para rejeitar o pedido de liberdade está o período em que ele permaneceu foragido, demonstrando haver o risco de fuga.

Leia também: Bebianno diz que se filiou ao PSDB para evitar "ditadura bolsonarista"

A defesa de Dario Messer havia solicitado a troca da prisão preventiva por medidas cautelares. Mas Gilmar disse não ser possível dar uma liminar por não vislumbrar "constrangimento ilegal manifesto". Ele destacou trecho de decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que também negou habeas corpus a Messer.

“Entretanto, há que se ponderar a condição de fuga por longo período, mesmo com o nome do recorrente incluído no sistema de difusão vermelha da Interpol. Ele demonstrou a intenção de se furtar à aplicação da lei penal e também a disponibilidade de meios para alcançar seu intento, fatos que, reforçados pela maior gravidade das condutas a ele atribuídas, o difere dos outros acusados que respondem soltos à ação penal", diz trecho de decisão do STJ reproduzido por Gilmar.

Leia também: OAB pedirá investigação de procuradores da Lava Jato por grampo a Lula

Gilmar Mendes também negou pedido para paralisar processo de Leonardo Gryner, outro alvo da Lava Jato do Rio. Ele era o braço-direito de Carlos Arthur Nuzman, ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). O STJ já havia rejeitado a solicitação do cartola.