Fachada do condomínio Vivendas da Barra, onde mora o presidente Jair Bolsonaro
Pablo Jacob / Agência O Globo
Fachada do condomínio Vivendas da Barra, onde mora o presidente Jair Bolsonaro

Os investigadores da morte da vereadora Marielle Franco querem ouvir novamente o porteiro do condomínio Vivendas da Barra, onde vivia um dos suspeitos do crime, o sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa.

Leia também: Bolsonaro diz que recolheu todas as gravações de áudio de seu condomínio

Os investigadores pretendem apurar se o funcionário cometeu falso testemunho ao afirmar que alguém da casa número 58, que pertence ao presidente Jair Bolsonaro, autorizou o acesso ao condomínio de outro suspeito do assassinato de Marielle , o ex-PM Élcio de Queiroz, no dia do crime.

Gravações da portaria do Vivendas,  periciadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), indicaram que o porteiro ligou de fato para a casa de Ronnie Lessa (número 65/66) e que o morador autorizou a entrada de Queiroz. Ambos estão presos desde 12 de março deste ano, acusados de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários