Tamanho do texto

Deputada defende o fim da obrigação da filiação partidária e explica que só se aliou a Bolsonaro por ver nele a chance de derrotar o PT em 2018

Janaina Paschoal no Roda Viva arrow-options
Reprodução/TV Cultura
Janaina Paschoal participou do Roda Viva, da TV Cultura


A deputada estadual Janaina Paschoal voltou a atacar o extremismo dos bolsonaristas desde que Jair Bolsonaro se tornou presidente, mas defendeu que a saída do PSL seja permitida e legal. Em entrevista ao programa Roda Viva , da TV Cultura,  a advogada se colocou a favor de uma reforma política que permita que se eleja sem a necessidade de uma filiação partidária.

Leia também: Deputadas do PSL querem proibir homens de banharem crianças em escolas de SP

Na visão de Janaina Paschoal , Bolsonaro nunca foi um político de partido e, por isso, não precisa do PSL neste momento. 

" Bolsonaro não é um homem de partido. Ele precisou encontrar uma sigla e encontrou o PSL . Eu entendi que precisava me aliar a ele para ajudá-lo, por conta do PT. Via nele a chance de o PT não vencer. Eu não tenho o menor vínculo por partido nenhum. Eu tenho a percepção de que estar em um partido ou estar em outro não muda nada. Eu não acredito em partido", disse a deputada estadual por São Paulo.

Leia também: Janaina Paschoal sobre situação do PSL: "Tanta loucura parece impossível!"

Eleita deputada com a maior votação da história - mais de 2 milhões de votos - Janaina Paschoal também é filiada ao PSL e chegou a ser cotada para ser vice na chapa com Bolsonaro. Na época, a advogada recusou o convite com a justificativa de que não poderia deixar São Paulo por motivos pessoais e profissionais.