Tamanho do texto

Questionamento foi feito pelo PGR por "carga de trabalho desumana"; ele desafiou o Executivo e Legislativo a também reduzirem férias

Aras falando ao microfone em sua cerimônia de posse arrow-options
Antonio Augusto / Secom / PGR
PGR se irritou com proposta de redução de férias de promotores e procuradores

O procurador-geral da República , Augusto Aras , criticou nesta segunda-feira (4) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê a redução das férias de promotores e procuradores de 60 para 30 dias. Por meio de nota, o chefe do Ministério Público disse que "a carga de trabalho é desumana" e desafiou os poderes Executivo e Legislativo a também reduzirem suas férias.

O projeto faz parte da reforma administrativa do governo e vai ser analisada essa semana pela equipe econômica.

Leia também: Aras arquivou informações sobre citação a Bolsonaro no inquérito de Marielle

“Caso o Parlamento pretenda levar adiante a redução das férias, é provável que tenhamos que discutir, também, a necessidade de se estabelecer jornada de trabalho e férias de 30 dias para os membros dos Poderes Legislativo e Executivo – o que seria o caos na vida nacional”, disse o PGR em nota.

Em sua argumentação, Aras afirmou que o "Ministério Público tem de cumprir prazos exíguos" e que recebe mensalmente cerca de 500 processos, "muitos dos quais exigindo complexidade e exame profundo da matéria de fato e de direito".

Leia também: Aras diz que ‘não há nada’ que ligue Bolsonaro a caso Marielle

Ele ainda citou a falta de funcionários como um problema. “A carga de trabalho de cada membro torna-se até certo ponto desumana até porque seu quadro de pessoal permanece deficitário há muito tempo, forçando substituições ou ausência do Ministério Público em locais importantes do imenso território que ele tem de estar presente”, disse.