Tamanho do texto

Vereador de São Carlos apresentou projeto para conceder a ministra o título de cidadã honorária. No entanto, proposta não agradou moradores da cidade

Ministra Damares Alves arrow-options
Filipe Bispo/Fotoarena/Agência O Globo
Ministra Damares Alves

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, vai processar moradores da cidade de São Carlos, no interior de São Paulo, após ser alvo de ofensas. As informações são da Folha de S.Paulo

Leia também: 'Governo Bolsonaro é uma confusão generalizada', diz Haddad

A polêmica se iniciou após o vereador Moises Lazarine (DEM) protocolar um projeto de decreto legislativo para conceder a Damares o título de cidadã honorária de São Carlos. A ministra morou na cidade por dez anos, onde fez a faculdade de direito e trabalhou na prefeitura. 

O projeto, no entanto, não agradou os moradores do município, que afirmaram que a iniciativa seria um "culto à imbecilidade" e que São Carlos "não é a terra da goiaba". De acordo com a Folha , a proposta foi criticada em grupos de WhatsApp da cidade e a ministra passou a ser alvo de ofensas. 

Em outras postagens, moradores chegaram a afirmar que Damares deveria ser colocada “dentro de um presídio com uns 15 presidiários que não veem mulher há dez anos” e chamaram evangélicos, religião da ministra, de "evanjégues".

O Ministério dos Direitos Humanos afirmou que a ministra vai processar os responsáveis pelas ofensas. As mensagens também fizeram com que o vereador Lazarine protocolasse um pedido de investigação na Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, vinculada a pasta comandada por Damares