Tamanho do texto

Filho do presidente, deputado defendeu ex-primeiro-ministro do Reino Unido Winston Churchill e chamou Neville Chamberlein de "isentão"

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) arrow-options
Jorge William / Agência O Globo
Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) criou mais uma polêmica nas redes sociais nesta segunda-feira (14), ao afirmar que o comunismo matou mais pessoas do que o nazismo. 

Leia também: Comunismo matou mais que nazismo? Historiador explica e desestimula comparação

Em sua conta do Twitter, Eduardo Bolsonaro comparou os ex-primeiros-ministros do Reino Unido, Neville Chamberlein e Winston Churchill. "Chamberlain, primeiro min. Reino Unido, se reuniu com Hitler e voltou para Inglaterra com um papel: o pacto de não agressão e disse 'trago tempos de paz. Um 'louco' gritava que aquilo não daria certo. Hitler ignorou o pacto, vivemos a 2ªGM e o 'louco' Churchill venceu Hitler", escreveu o deputado. 

"O comunismo matou mais do que o nazismo, ambos sistemas nefastos. Hoje pessoas parecem ter esquecido nosso passado recente e querem dialogar com aqueles que estavam nos botando nos mesmo caminho da Venezuela. Vc prefere ser um isentão como Chamberlain ou um louco como Churchill?", completou. 



Durante o holocausto, dos nove milhões de judeus que residiam na Europa, cerca de seis milhões foram mortos.