Moro
Adriana Spaca / FramePhoto / Agência O Globo
Moro admitiu dificuldades, mas demonstrou otimismo com tramitação de pacote anticrime no Congresso

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, admitiu nesta sexta-feira (11) que o pacote anticrime enviado por sua pasta ao Congresso encontra dificuldades de tramitação, mas acredita que o texto deve ganhar o apoio dos deputados daqui para frente. Nesta semana, o Tribunal de Contas da União determinou a suspensão da campanha publicitária da iniciativa .

"Era importante mandar uma mensagem do governo, de que estamos aqui (no combate ao crime organizado). Bem, está havendo alguma dificuldade para tramitação desse projeto. Houve uma priorização da Reforma da Previdência, o que é absolutamente compreensível. Era a prioridade do governo e do Congresso", disse Moro .

"Temos aí a expectativa de conseguirmos avançar nessa pauta em parceria com o Congresso Nacional", acrescentou a uma plateia de investidores reunidos no Fórum de Investimentos
Brasil 2019, evento promovido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pelo governo federal, em São Paulo.

Leia também: Rodrigo Maia critica Sergio Moro: "Tenta acuar as instituições democráticas"

No discurso, o ministro comentou as notícias de que a Operação Lava Jato estaria sofrendo revezes por causa de possíveis infrações ao processo legal indicada pela descoberta de
mensagens de integrantes da força-tarefa. Para Moro, uma derrota da Lava Jato implicaria numa desmoralização do combate à corrupção que, na ponta, resultaria em "derrotas muito
piores" à sociedade brasileira.

"Vejo notícias recentes que a imprensa muitas vezes fala de derrotas da Lava Jato contra corrupção. Olha, na verdade, as conquistas nesses últimos cinco anos são uma conquista da democracia brasileira. Isso é uma construção de um império do Direito, de um rule of law e que é bom para todo mundo. É bom inclusive para os negócios, mas principalmente para a auto-estima do brasileiro de viver num país com menos corrupção. Então, não são derrotas da Lava Jato, são muito piores", opinou.

Moro comemorou a melhoria de alguns dos principais indicadores de segurança pública no país em 2019, como a redução de homicídios e de roubos a cargas. De acordo com a apresentação do ministro, houve uma queda de 21% nos homicídios entre janeiro a maio deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Com a redução, 7.000 vidas foram
poupadas.

"Não me lembro de queda desse tipo (no passado)", afirmou o ex-juiz, que comentou ainda as  denúncias de tortura da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária no Pará a presos. "Se forem comprovados (os maus-tratos), as pessoas serão punidas, mas as informações até agora não demonstram procedência (nas acusações)", completou Moro .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários