Tamanho do texto

Luciano Bivar disse ao O Globo que o presidente está 'mal aconselhado' e que advogados querem comandar recursos do fundo partidário

Bivar e Bolsonaro arrow-options
Reprodução/Facebook
Bivar sobre crise com Bolsonaro: "Querem o partido para fazer coisas não éticas"

Um dia depois de ser surpreendido pela fala do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de que está “queimado” em seu estado, o presidente nacional da legenda, Luciano Bivar, avaliou que
Bolsonaro está sendo “mal aconselhado” e que advogados querem comandar os recursos do fundo partidário para fazer “coisas não éticas”. Em entrevista ao jornal O Globo , Bivar
disse haver um grupo capitaneando o presidente.

Leia também: Por prefeituras, maioria dos deputados do PSL se mantém fiel a Bivar

“O que há é um grupo capitaneado por duas ou três pessoas, um juiz desempregado, uma advogada rapina, que querem dinheiro. É tão ruim eu discutir sobre isso. Isso é o que menos
importa para mim e para o presidente. Essas pessoas, sorrateiramente, cujo objetivo é outro, estão nisso. Acho que o presidente não deve estar sendo bem aconselhado porque estão
vendendo ele como se fosse propriedade deles para forçar uma participação de domínio no partido e fazerem coisas que não são éticas”, disse Bivar .

Confira outros trechos da entrevista abaixo

O senhor pretende alterar o comando do partido e entregá-lo ao presidente?

Não. O presidente nunca me falou sobre isso, pessoalmente. O que há é um grupo capitaneado por duas ou três pessoas, um juiz desempregado, uma advogada rapina, que querem dinheiro. É tão ruim eu discutir sobre isso. Isso é o que menos importa para mim e para o presidente. Essas pessoas, sorrateiramente, cujo objetivo é outro, estão nisso. Acho que o presidente não deve estar sendo bem aconselhado porque estão vendendo ele como se fosse propriedade deles para forçar uma participação de domínio no partido e fazerem coisas que não são éticas.

O que são essas “coisas não éticas”?

O fundo partidário é da bancada e eu tenho que preservar isso. Eu não posso me dobrar a contratos e ofertas de serviços que não representem realmente nenhum processo. Isso realmente cria um desconforto. Os interesseiros do partido gozam de um relacionamento com o presidente e acham que, com isso, eles vendem esse falso poder para vender serviços ao partido. Não vão ter.

Leia também: PSL ameaça punir deputados e Eduardo Bolsonaro ataca: "Fica quieto!"

Quais são esses contratos de serviços?

Contratos para assessoria de imprensa, publicidade, advogados, compliance. E o próprio presidente diz que o bom é que tenhamos pessoas competentes e honestas e é assim que a gente tem andado e tem feito. Basta dizer que o último relatório que fizemos não teve nenhum comentário. Pedimos sugestões de tudo que foi realizado.