Tamanho do texto

Em depoimento à PF, ex-assessor do ministro do Turismo implicou o presidente no esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais

Presidente Jair Bolsonaro (PSL) arrow-options
Alan Santos/PR
Presidente Jair Bolsonaro (PSL)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou, na noite desta terça-feira (8), que não pode ser acusado por caixa dois porque não fez campanha para as eleições de 2018. A declaração foi uma resposta à reportagem da Folha de S.Paulo no último domingo, que revelou um suposto envolvimento de Bolsonaro no esquema de candidaturas laranjas do PSL. 

"Não fiz campanha. Como é que me acusam que eu fiz campanha com caixa dois? Eu não fiz nada. Não anunciei em jornal nenhum, não fiz uma passeata, não fiz nada", disse Bolsonaro . "Só nesta semana, me botaram como responsável por problemas em Minas Gerais. Não tenho nada a ver. Imagine se eu for responsável por 2000 candidatos pelo Brasil". 

Em depoimento à Polícia Federal, o ex-assessor de Marcelo Álvaro Antônio (PSL), ministro do Turismo, Haissander Souza de Paula, implicou o presidente Jair Bolsonaro (PSL) no esquema de candidaturas laranjas do partido em Minas Gerais.

Leia também: Ministro do Turismo é convocado a explicar no Senado sobre laranjas do PSL

Ele conta que "acha que parte dos valores depositados para as campanhas femininas, na verdade, foi usada para pagar material de campanha de Marcelo Álvaro Antônio e Jair Bolsonaro". Já na planilha de nome "MarceloAlvaro.xlsx", os investigadores encontraram referência a distribuição de material para a campanha presidencial de Bolsonaro. Havia ainda a expressão "out" escrita, que, para os policiais, significa "pagamento por fora".