Câmera de segurança mostra delator e analista tributário da Receita que, segundo as investigações, cobrou propina
Reprodução
Câmera de segurança mostra delator e analista tributário da Receita que, segundo as investigações, cobrou propina

A força-tarefa da Lava Jato provou que o e-mail "[email protected]" era usado pelo analista tributário da Receita Federal Marcial Pereira de Souza para cobrar propina de empresários em troca do cancelamento de multas milionárias por sonegação fiscal.

Leia também: "Não se combate o crime cometendo crime", diz Gilmar Mendes sobre a Lava Jato

Com a colaboração do Google e de uma operadora telefônica, a partir da quebra de sigilo telemático autorizada pela Justiça, foi possível confirmar que uma das mensagens de achaque contra o delator do esquema partiu de um celular conectado a um modem em nome de Marcial, segundo a Lava Jato .

Usada como prova cabal pelo Ministério Público Federal ( MPF ) para a prisão do analista da Receita, uma das mensagens enviada ao contador Rildo Alves da Silva, indicado pelo delator Ricardo Siqueira Rodrigues para acertar os pagamentos de propina, revela a pressão de Marcial para receber os valores acertados. Nela, Marcial afirma que a fiscalização de Ricardo estaria "sob controle".

"O documento que você recebeu é bem claro. Trata-se do calendário 2013. Sinalização maior que está controlado não há". O Google informou os IP's dos últimos acessos ao e-mail em referência e foi possível apurar que a conexão à internet ocorreu por meio da operadora utilizada por Marcial.

Leia também: Lava Jato entrou em xeque a partir da saída de Moro para ministério

Imagens usadas no pedido de prisão de servidores da Receit a mostram três encontros de Marcial e o delato que, segundo os investigadores, serviram para tratar da cobrança de propina. Era em nome de Marcial Pereira de Souza e de sua mulher que estava a conta em Portugal onde foram depositados os recursos ilícitos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários