Tamanho do texto

Para o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), não cabe ao presidente Jair Bolsonaro se pronunciar sobre a morte "lamentável" dela

General Augusto Heleno falando ao microfone arrow-options
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 10.7.19
Para Heleno, responsabilidade de manifestação é de Witzel

O ministro do Gabinete de Segurança Instituicional (GSI), general Augusto Heleno , atribuiu a morte da menina Ágatha Félix , de 8 anos, ao governo do Rio de Janeiro. "É um problema do governador", disse o general. Ágatha foi morta com um tiro nas no sábado (21) durante uma operação da polícia no Complexo do Alemão .

De acordo com Heleno, não compete ao presidente Jair Bolsonaro se manifestar sobre o caso por ele ter acontecido no estado do Rio de Janeiro . "A polícia é dele [Wilson Witzel, governador do Rio], o estado é dele, a situação está na mão dele, a apuração é feita lá”, afirmou.

Um laudo pericial recebido pela Delegacia de Homicídios nesta quarta-feira (25) mostra que o estado do projétil inviabiliza o confronto balístico para saber de que arma saiu o disparo. A única conclusão possível de constatada é a de que a bala saiu de um fuzil.

Leia mais: Não é possível saber de que arma saiu a bala que matou Ágatha, diz perícia

No laudo do exame feito no corpo da menina, foi constatado que a bala causou perfuração nas costas, rim direito e vasos do abdômen.