Tamanho do texto

O presidente viaja na próxima segunda-feira para participar da abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York

Bolsonaro sorrindo arrow-options
Marcos Corrêa/PR - 17.9.19
Bolsonaro teve alta nesta segunda-feira(16) e passou por exames para avaliar suas condições de saúde para ir à ONU

O presidente Jair Bolsonaro está com a viagem assegurada para Nova York. Segundo o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros , o presidente está ‘pronto para o combate’. Ele viaja para os Estados Unidos na segunda-feira (23) para participar da 74ª Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU).

"Nosso presidente está pronto para o combate com a viagem assegurada para Nova York no próximo dia 23", afirmou o porta-voz sobre o estado de saúde de Bolsonaro .

O boletim médico divulgado nesta manhã diz que o presidente está em “excelentes condições clínicas”. Uma nova reavaliação deve ser realizada em sete dias.

Leia também: Discurso de Bolsonaro na ONU terá críticas a Venezuela e Cuba

"O Presidente encontra-se há quatro dias da alta hospitalar, em excelentes condições clínico/ cirúrgicas, tendo sido liberado para  dieta leve. Programada reavaliação em sete dias", diz o boletim médico.

Bolsonaro chegou ao hospital DF Star para fazer exames por volta das 9h15 da manhã desta sexta-feira (20). A equipe do médico Antônio Luiz Macedo, da Rede D’Or, foi responsável pela reavaliação.

O presidente passou por uma cirurgia no último dia 8 para a correção de uma hérnia incisional na região do abdômen. A intervenção foi decorrente de cirurgias anteriores, realizadas por conta da facada que sofrida durante a campanha eleitoral do ano passado. Ele teve alta na última segunda-feira (16), após passar uma semana internado no hospital Vila Nova Star, em São Paulo. Bolsonaro reassumiu a Presidência no dia seguinte.

Agenda curta

A agenda de Bolsonaro nos Estados Unidos foi encurtada por recomendações médicas. Foram  suspensas reuniões bilaterais com sete chefes de Estado  que ainda estavam sendo alinhavadas. Saíram da programação encontros com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e com o presidente americano Donald Trump, além de conversas com os líderes de Polônia, Colômbia, Peru, Ucrânia e África do Sul. Há a previsão, porém, de que Bolsonaro assista ao pronunciamento de Trump, o segundo a discursar na ONU, logo após o brasileiro.