Tamanho do texto

Governador do Rio ainda defendeu o aumento do tempo de pena máximo para quem faz parte do crime organizado de 35 anos para 50 anos

O governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel arrow-options
Luciano Belford / Agência O Dia
Para o governador do Rio, o Brasil prende "de menos"

O governador Wilson Witzel defendeu o fim da visita íntima a presos na manhã desta quarta-feira (19), durante o 1º Encontro Nacional de Diretores de Departamentos de Homicídios. Witzel também se posicionou a favor do aumento do tempo de pena máximo para criminosos: o limite subiria para 50 anos. O evento em que o governador estava contou com a participação de delegados das especializadas de todo o país.

"A pena para criminosos do crime organizado não pode ser 35 anos, tem que ser 50 anos. O sistema que ele tem que ficar preso não pode ter visita íntima. Perdeu a liberdade? Tem que perder a liberdade sexual. Onde é que nós estamos com a cabeça? Você tira a liberdade do sujeito, mas não tira a liberdade sexual dele. O que que é isso? Perdeu sim", afirmou Witzel.

Leia também: Fundo eleitoral, reforma partidária... Veja o que muda com a aprovação do projeto

O governador disse que hoje há um déficit de 300 mil vagas no sistema penitenciário nacional e que é necessário novas vagas para impedir rebeliões como ocorreu no Ceará e no Pará. Segundo ele, o governo estadual construirá cinco presídios verticais:

"Nós não prendemos demais, e, sim, de menos. Falta vaga no sistema prisional. Aqui no Rio construiremos cinco presídios verticais, com capacidade de 3.500 a 5 mil. Com áreas de ensino e de indústria", complementou Witzel.