Bolsonaro
Reprodução/Twitter Jair Bolsonaro
Após dias de melhora, presidente apresentou problema intestinal e alimentação oral foi interrompida

Após três dias de melhora contínua no estado de saúde, o presidente Jair Bolsonaro apresentou durante a madrugada desta quarta-feira (11) um quadro de lentificação intestinal e distensão abdominal, o que levou seus médicos a decidirem pela suspensão da alimentação oral e a  introdução da nutrição endovenosa (alimentação por meio de sonda) no tratamento, segundo boletim médico divulgado pela manhã.

Leia também: Frota diz que Carlos Bolsonaro age como se fosse o presidente e deveria se calar

Em razão dos problemas intestinais, os médicos decidiram submeter Bolsonaro à passagem de uma sonda nasogástrica (tubo que vai de seu nariz até seu estômago para nutrição ou drenagem). Seus exames, contudo, continuam estáveis. Segundo o boletim, o presidente permanece sem dor, afebril e sem disfunções orgânicas.

A introdução da nutrição endovenosa é uma diferença em relação à evolução do presidente nos últimos dias. Até esta terça-feira, o presidente estava se alimentando com uma dieta líquida, à base de água, chá, gelatina e caldo ralo. A expectativa é de que nos próximos dias o presidente começasse a comer alimentos pastosos.

De acordo com o boletim, a reintrodução da alimentação por via oral será avaliada diariamente e "ocorrerá no momento oportuno". O presidente entregou o cargo interinamente até quinta-feira ao vice-presidente Hamilton Mourão.

Leia também: Kajuru chama PGR de "goiana canalha" e ataca: "Melhor que Dodge, até um poste"

Nesta terça-feira (10), o porta-voz afirmou que Bolsonaro deveria voltar a exercer o cargo a partir de quinta-feira mesmo do hospital . Com a mudança no quadro clínico do presidente, no entanto, não há confirmação de que isso ocorrerá de fato, uma vez que, por ordens médicas, Bolsonaro segue com visitas restritas.

    Veja Também

      Mostrar mais