Tamanho do texto

Negando que tenha convidado o magistrado para fazer parte do governo de São Paulo, Doria elogiou o ministro: "Quem não gostaria de ter?"

João Doria e Moro arrow-options
Reprodução
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), elogiou publicamente o ministro Sergio Moro nesta terça-feira (27).

O governador de São Paulo João Doria  (PSDB) elogiou publicamente nesta terça-feira (27) o ministro da Justiça Sergio Moro. Embora tenha negado que tenha convidado Moro para integrar o governo paulista, o tucano disse que possui "admiração e respeito" pelo ex-juiz da Operação Lava-Jato e sugeriu que ele seria uma presença desejável na visão de qualquer gestor público.

Leia também: CCJ quer dar 'segunda chance' para pontos polêmicos do pacote anticrime de Moro

“Quem não gostaria de ter?”, perguntou Doria, em resposta a questionamentos sobre o desejo de contar com Moro em sua equipe.

Ao comentar a atuação do ministro, o governador mencionou como exemplo positivo a transferência de integrantes da maior facção criminosa, realizada em fevereiro. Doria também fez elogio à atuação de Moro enquanto magistrado.

“Sergio Moro foi um grande juiz e é um grande ministro”, disse o governador, que completou: “ Não há convite , há admiração e respeito”.

Leia também: Juiz determina prescrição de 8 de 12 crimes de Paulo Preto na Lava Jato de SP

No fim de junho, Doria recebeu Moro com tapete vermelho, orquestra de cordas e pompas de chefe de Estado para homenageá-lo com a maior honraria do governo paulista: a medalha Ordem do Ipiranga. Na ocasião, o governador disse que o ministro é "patriota" e um "grande brasileiro".

Atritos

Os novos elogios de Doria a Moro coincidem com o momento no qual os atritos entre o ministro e o presidente Jair Bolsonaro atingiram o ápice na semana passada, quando Bolsonaro elevou o tom, ao dizer que poderia demitir o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Valeixo, uma escolha pessoal de Moro. Perguntado se não seria uma interferência, dispensou meias palavras,  afirmando que é ele quem manda na PF.