Wilson WItzel
Luciano Belford / Agência O Dia
Wilson WItzel

O governador do Rio, Wilson Witzel, afirmou nesta quinta-feira (22) que discorda das declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre a possibilidade de trocar o diretor-geral da Polícia Federal e disse ser defensor da independência da instituição.

Leia também: Bolsonaro interfere na PF e quebra promessa de "liberdade total" a Moro

Para Witzel , a tentativa de nomear diretamente um delegado, como Bolsonaro tentou na Superintendência da PF do Rio , significa “ferir a cadeia de comando” da polícia. O governador deu as declarações em entrevista à imprensa ao participar de um evento organizado pela Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) em Salvador.

"Data maxima venia ao nosso presidente, fico muito tranquilo para abrir uma divergência, como a gente faz no tribunal", afirmou Witzel, citando um termo usado no meio jurídico para apresentar opinião contrária.

Witzel afirmou que, em seu entendimento, o chefe do Executivo pode orientar as diretrizes políticas da polícia, mas não interferir em assuntos técnicos.

"Meu entendimento é de que nós temos que dar diretrizes políticas às instituições que são fruto do nosso programa de governo.  (...) Na medida em que você começa a dizer qual é o delegado que vai ocupar a delegacia da cidade X, qual é o comandante do batalhão da cidade Y, isso passa a ferir a cadeia de comando e as estruturas ficam dependentes da política. Então um determinado comandante de batalhão, quando ele não está atendendo as demandas necessárias da estrutura da polícia, ele não vai ser trocado porque ele tem infelizmente um poder político que o secretário acaba não tendo", afirmou o governador.

Witzel disse ainda que “as estruturas têm que ser despolitizadas” no aspecto técnico e que tem defendido a independência da PF .

"Então nesse ponto eu sou divergente. Não é de hoje que eu defendo a independência da Polícia Federal, inclusive com a possibilidade de inamovibilidade dos seus integrantes, e cada vez mais aproximando as garantias da polícia às garantias que têm o Ministério Publico e a magistratura. Não se pode ter uma corrente forte quando se tem um elo fraco", afirmou Witzel.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários