Tamanho do texto

Foram ao todo 12 políticos e 16 empresas delatadas pelo ex-ministro

Palocci arrow-options
Antonio Cruz/Agência Brasil - 02.01.2011
Nova delação de Palocci implica Lula, Dilma, Gleisi, Lindbergh e outros petistas

Uma nova delação do ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Antonio Palocci, implica, entre outros nomes, a presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, o ex-governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel e o ex-senador Lindbergh Farias.

Leia também: "Bandidos de esquerda começam a voltar ao poder" na Argentina, diz Bolsonaro

O documento foi homologado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin e o conteúdo da delação de Palocci foi divulgado pela revista Veja . Segundo o ex-ministro, em 2010, a Odebrecht repassou R$ 2 milhões para Gleisi por meio de caixa dois. Já a OAS teria repassado mais R$ 800 mil.

Ainda de acordo com a delação, foram repassados R$ 3,2 milhões para a campanha de  Lindbergh Farias. Já para a campanha do ex-governados de Minas Gerais Fernando Pimentel , a Camargo Correa teria fornecido R$ 2 milhões. Tião Viana, ex-governador do Acre, teria recebido R$ 1,5 milhão.

Leia também: Irritado com o Senado, Kajuru divulga o próprio número de celular nas redes

Foram ao todo 12 políticos e 16 empresas delatadas por Palocci . Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff também teriam sido citados. O governo do Líbano teria doado R$ 3,5 milhões para a campanha de Lula em 2002, também por caixa dois. Já a Camargo Correa teria repassado R$ 50 milhões para a campanha de Dilma em 2010, com a intenção de obter apoio do governo federal para anular uma operação contra a empresa no Superior Tribunal de Justiça.

    Leia tudo sobre: Lula