Tamanho do texto

Mulheres de várias regiões do país participam da 1ª Marcha das Mulheres Indígenas. Protesto reuniu 115 etnias diferentes

Protesto Indígenas arrow-options
Daiene Mendes/ Witness Brasil
Marca das Mulheres Indígenas

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde foi ocupada na manhã desta segunda-feira por um grupo de indígenas em um ato pela  "defesa do subsistema de atenção à saúde indígena".  Mulheres de várias regiões do país participam nesta semana da 1ª Marcha das Mulheres Indígenas.

Leia também: Bolsonaro diz que Brasil não terá mais radares móveis a partir da semana que vem 

O grupo, segundo o G1, teve acesso ao 4º andar do prédio, onde os indígenas dançaram e cantaram. Servidores acionaram a Polícia Militar do Distrito Federal, que reforçou a segurança no local.  Segundo coordenadores do ato, o protesto reuniu cerca de 115 etnias diferentes.

- Não vamos aceitar a municipalização da saúde indígena. Nós, mulheres , não temos a obrigação de aceitar qualquer imposição que venha destruir a nossa saúde, a nossa vida -  disse Sônia Guajajara,  coordenadora nacional da  Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Abip).

Protesto Ministério da Saúde arrow-options
Reprodução/Twitter @samiabomfim
Mulheres indígenas participam de protesto no prédio do Ministério da Saúde.

Os manifestantes estão acampados no gramado da Funarte desde domingo. A programação da marcha prevê uma audiência nesta segunda-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) para tratar sobre a violação dos direitos indígenas . Para amanhã, está programada a abertura da Marcha das Margaridas e também uma sessão sessão solene na Câmara dos Deputados.