Tamanho do texto

Palestra aconteceu em setembro de 2016, quando Sergio Moro era o juiz responsável pela Lava Jato, mas ministro não declarou; confira

Sergio Moro omitiu uma palestra remunerada que deu em setembro de 2016 quando era o juiz responsável pela Lava Jato. De acordo com a Folha de S. Paulo , o ministro da Justiça não declarou o acontecimento ao prestar contas de suas atividades. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmou ao jornal que o ministro declarou ter participado de 16 eventos externos naquele ano, 9 palestras, 3 homenagens e 2 audiências no Congresso Nacional.

Leia também: Suspeitos de hackear autoridades são transferidos e ficarão isolados

Sergio Moro arrow-options
Isaac Amorim/MJSP
Ministro Sergio Moro omitiu palestra remunerada


A relação de eventos declaradas por Moro não inclui uma palestra mencionada por ele em troca de mensagens com Deltan Dellagnol em 2017, que faz parte de pacote obtido pela Intercept.

Leia também: Perícia da Polícia Federal conclui que hackers atacaram 1.162 telefones

No dia 22 de maio de 2017, falou para Dellagnol sobre a palestra, informando o procurador que um executivo do grupo de comunicação Sinos queria seu contato para um convite. "Ano passado dei uma palestra lá para eles, bem organizada e bem paga", escreveu o juiz, segundo a Folha. "Passa sim!", respondeu Deltan.

Uma resolução aprovada pelo Conselho Nacional da Justiça tornou obrigatório em 2016 que os juízes de todas as instâncias informassem sobre palestras e eventos classificados como "atividades docentes". Sendo assim,  o juiz tem 30 dias para informar suas participações em eventos, declarando data, assunto e local. Eles também são obrigados a dizer se foram remunerados.

Leia também: PF pede prisão preventiva dos quatro suspeitos de ataques hacker

Questionado pela Folha, Moro disse que a omissão da plestra pode ter acontecido por "puro lapso" e que parte do dinheiro foi doado para uma entidade beneficente.