Tamanho do texto

Ministra Rosa Weber atendeu pedido da PGR que entendeu que o atual presidente do Senado não cometeu crimes em sua campanha em 2014

Davi Alcolumbre na mesa do Senado arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Davi Alcolumbre está livre das acusações de crime eleitoral


A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), arquivou dois inquéritos em que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), era investigado por supostos crimes eleitorais cometidos durante a campanha de 2014.

O arquivamento foi feito a pedido da procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, para quem a “investigação policial não reuniu, contudo, suporte probatório mínimo de materialidade e de autoria da prática de crime”. Davi Alcolumbre foi eleito senador em 2014 para o mandato que cumpre atualmente.

Leia também: Após ataque hacker, Alcolumbre volta a defender CPMI das Fake News

Os inquéritos haviam sido abertos em março de 2017 com a autorização da própria Rosa Weber , após o PMDB do Amapá ter ido ao Ministério Público apontar possíveis irregularidades nas contas de campanha de Alcolumbre, entre as quais "a utilização de notas fiscais frias inidôneas para a prestação de contas, ausência de comprovantes bancários, contratação de serviços com data posterior à data das eleições, entre outras".

O senador negou qualquer irregularidade, destacando que suas contas da campanha de 2014 foram aprovadas pela Justiça Eleitoral e que todos os documentos pertinentes, comprovando a legalidade dos gastos, foram apresentados.

Leia também: Bolsonaro ironiza gravata rosa de Davi Alcolumbre durante cerimônia

Na decisão publicada no Diário de Justiça desta quarta-feira (31), Rosa Weber destacou que “a jurisprudência desta Suprema Corte é firme no sentido de que inviável a recusa a pedido de arquivamento de inquérito” feito pela PGR.

Leia também: Alcolumbre critica relação do governo Bolsonaro com o Congresso

Davi Alcolumbre (DEM-AP) é o atual presidente do Senado, eleito em março deste ano. A denúncia de crime eleitoral era a única contra o parlamentar no Supremo.