Tamanho do texto

O deputado Rodrigo Amorim (PSL-RJ) falou do assessor em entrevista

Rodrigo Amorim arrow-options
Reprodução
"Sou grato ao Queiroz", diz deputado que rasgou placa de Marielle

Famoso por ter rasgado uma placa com o nome da parlamentar assassinada Marielle Franco ao lado de um companheiro de partido, o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ) disse, em entrevista ao colunista Cássio Bruno, do jornal O Dia , que é "grato" a Fabrício Queiroz, ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro investigado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Leia também: Bolsonaro diz que não há "indício forte" de assassinato de índio Waiãpi no AP

Pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro pelo partido do presidente Jair Bolsonaro, Amorim disse que Fabrício Queiroz trabalhou em sua campanha quando foi vice na chapa com Flávio Bolsonaro. "Depois, fez a de senador do Flávio e a minha de deputado. Sou grato ao Queiroz. Ele tem relevância na vida política muito grande", disse o parlamentar.

Questionado se poderia chamar o polêmico ex-assessor para integrar um possível governo, Rodrigo Amorim se esquivou. "Não vejo perfil nele para ocupar uma secretaria. Mas se ele quiser participar do processo eleitoral, contribuindo, será muito bem-vindo, como foi em 2016 e 2018", respondeu.

Sobre sua campanha, o parlamentar garantiu que terá o apoio do atual governador do estado, Wilson Witzel (PSL), que vem se aproximando do atual prefeito, Marcelo Crivella (PRB). "Em momento nenhum me foi negado o apoio. Tenho sustentado que vencemos a eleição juntos", disse.

"Tenho observado essa suposta aproximação [de Witzel e Crivella] apenas por meio da imprensa. Na prática, há uma comunhão entre o governador e nós. Por hora, não considero a hipótese dele me apoiar", garantiu o pré-candidato.

Leia também: Vídeo mostra ataque que deixou dois mortos e cinco feridos no Rio de Janeiro

Rodrigo Amorim também respondeu sobre a polêmica envolvendo a placa com o nome de Marielle Franco. "Quebraria qualquer placa que esteja posta de forma ilegítima e transgredindo a regra. Aquela placa foi uma afronta das forças de esquerda", alegou o deputado, que ainda disse não se arrepender da atitude.